Miguel Oliveira: 'Parece que a sorte não está do nosso lado'

Piloto português não conseguiu melhor que o 20.º lugar no Grande Prémio de São Marino

0 aos 100 19/09/2021 Desporto

Miguel Oliveira lamentou a corrida "bastante desapontante" no Grande Prémio de São Marino, explicando que um toque do espanhol Iker Lecuona na mota do português danificou uma das asas laterais e impediu de conseguir melhor que o 20.º lugar. 

Segundo explicou o piloto de Almada na conferência de imprensa, citado pela Agência Lusa, a mota ficou bastante mais difícil de pilotar nesta 14.ª ronda da temporada do Campeonato do Mundo de velocidade em motociclismo.

“Estava otimista para uma boa corrida e terminar no ‘top 10’, somando bons pontos. Mas, depois do arranque, fui tocado pelo [Iker] Lecuona, o corpo dele ficou preso na minha mota e arrancou a asa [lateral]. Daí em diante foi tentar chegar ao fim. A mota ficou muito instável. Só tinha ‘downforce’ de um lado”, explicou Miguel Oliveira.

O piloto luso sente que “a sorte não está” do seu lado atualmente, mas confia que será possível recuperar até ao final do campeonato.

“Há momentos em que mostrámos velocidade, capacidade de conseguir outro tipo de resultados. Mas pequenos detalhes técnicos não nos permitiram ir mais longe. É a brutalidade do desporto. Não nos permite estar em forma todos os fins de semana. Ainda não encontrei um ‘set up’ que me permita estar ao meu melhor. Quando o encontrar, vou ser muito competitivo”, prometeu.

Veja ainda:

Com o resultado deste domingo, Miguel Oliveira desceu ao décimo lugar do mundial, com 87 pontos.

O italiano Francesco Bagnaia (Ducati) venceu pela segunda ronda consecutiva e aproximou-se do líder do campeonato, o francês Fabio Quartararo (Yamaha), que foi segundo.

Quartaro lidera com 48 pontos de vantagem sobre Bagnaia.

Deixe o seu comentário

Pesquise aqui o seu futuro carro usado

Nissan Juke 1.0 DIG-T N-Design: Perfil ganhador
Toyota Yaris 1.5 híbrido. Espécie evoluída