Já conduzimos o Megane E-Tech, o Megane elétrico

Megane E-Tech chega com duas opções de bateria, duas potências e qualidades para dar e vender...

0 aos 100 28/07/2022 Noticias

É elétrico, é dinâmico, tem um certo estilo da moda (leia-se, SUV) e chama-se Mégane. O nome é mesmo o único detalhe que permanece na mudança de geração do Megane (até o logotipo da Renault é novo...). Conduzimos a versão que será a mais procurada em Portugal: EV60 de 220cv.

Com este Megane, a Renault fez mais ou menos o mesmo que a Ford com o Mustang Mach-E e o que a Fiat fez com o 500 elétrico: aproveitar a força histórica dos respetivos nomes para o seu novo modelo elétrico. Por isso, o atual Megane com motores a combustão (gasolina e gasóleo) permanecerá em catálogo, pelo menos enquanto existir procura.  

O primeiro impacto daquilo que a Renault chama de “sensual tech” encontra-se na estética, com uma silhueta estilo SUV e uma certa “inclinação” para Coupé que promete não deixar ninguém indiferente e suscitar muito virar de cabeças - ao vivo causa mais impacto que nas fotografias.

Mais curto que o Megane a combustão

Com uma altura cerca de seis centímetros superior à do homólogo a combustão, o Megane elétrico chega aos 1,50 metros, o que se traduz numa melhor habitabilidade para passageiros mais altos, por exemplo. Contudo, é 15 cm mais curto, mas oferece um centro de gravidade 90 mm mais baixo que no Mégane a combustão. A distribuição de massas é de 50% por cada eixo.

Por fora, tem uma silhueta compacta, estilo SUV e linhas marcadamente desportivas. Os puxadores das portas automáticos, as jantes de 20 polegadas, assinatura de luz Full LED e óticas traseiras com efeito 3D, além de vários detalhes cromados completam um conjunto que não passa despercebido.

Ambiente tecnológico

O interior do E-Tech faz jus ao nome, impressiona tanto pela apresentação moderna e tecnológica, muito valorizada pela digitalização do painel – ecrãs com 12,3 polegadas e 12 polegadas (9 polegadas nas versões de acesso) para instrumentação e sistema multimédia, respetivamente –, como pela qualidade da generalidade dos materiais e da montagem.

Elogie-se, ainda, a abundância de espaço nos bancos traseiros. As baterias com uma espessura de apenas 11 cm, garante um baixo centro de gravidade, logo uma maior agilidade em estradas sinuosas, beneficiando também a capacidade da mala (440 litros de capacidade, além de um espaço inferior de 32 litros para armazenar os cabos de carregamento).

O volante, achatado na parte inferior e superior, tem excelente pega e conta com o botão Multisense para a escolha dos modos de condução e patilhas para os quatro modos de regeneração (Eco, Comfort, Sport e Personalizado). Além das ligações Apple Carplay a Android Auto, conta ainda com o Google Auto Services, com acesso ao Maps, Play, Assistant e atualizações à distância.

Entre os 26 sistemas avançados de auxílio à condução, destaque para as câmaras 360º, limitador de velocidade inteligente, saída segura dos ocupantes (aviso da aproximação de um veículo quando um dos ocupantes abre uma das portas) ou a travagem de emergência automática em marcha-atrás.

Duas baterias, duas potências

O motor elétrico é 15% mais leve que o motor do Zoe e 20% mais pequeno. É síncrono sem ímanes permanentes, tem oito polos (anteriormente quatro) refrigeração líquida e pesa apenas 145 quilos. Está disponível em duas opções, a de entrada com 130 cv (96 kW) e 250 Nm, e a mais potente de 220 cv (160 kW) e 300 Nm.

As baterias são também duas, com capacidades de 40 e 60 kWh. Esta última e graças ao baixo peso do Megane E-Tech (1.625 kg), permite anunciar uma autonomia de até 470 quilómetros no ciclo WLTP. A mais pequena anuncia uma autonomia de 300 quilómetros. A garantia é de 8 anos (ou 160 000 km). A tração é sempre dianteira, independentemente da bateria e da potência.

Ao volante da versão de 220 cv

O primeiro contacto com o Megane E-Tech foi feito com a bateria de 60 kWh de 220cv, precisamente a que tem recolhido a totalidade das preferências das encomendas em Portugal. Nas sinuosas estradas entre o Porto e a Régua, tendo como pano de fundo o Douro, o “E-Tech” conduz-se bem e depressa. O conforto de rolamento é elevado e o bem-estar a bordo ganha com a qualidade do isolamento acústico.

Veja ainda:

A condução é marcada pela fluidez e pelo desembaraço da entrega instantânea de binário. Mas de reações sempre muito lineares e bem controladas, sem puxões ou elementos que perturbem o conforto ao volante, sem perder a vertente dinâmica do conjunto.

A colocação da bateria na zona inferior contribui para baixar o centro de gravidade, trazendo benefícios à agilidade, nunca chegando ao condutor a sensação de estar aos comandos de um veículo pesado – o que tantas vezes acontece ao volante de modelos elétricos.

O Megane E-Tech proporciona-nos, ainda, a hipótese de regularmos a intensidade da travagem regenerativa em patilhas no volante, existindo quatro níveis predefinidos. A utilização é intuitiva e permite “travarmos” com força suficiente para abordarmos curva ou rotunda sem recorrermos ao travão, aproveitando desta forma para ganhar carga, logo autonomia.

Os 450 km de autonomia (WLTP) que correspondem a cerca de 400 km reais dispensaram qualquer carga durante os dois dias de testes dos Megane E-Tech. O consumo médio anotado entre o Porto e a Régua, que incluiu uma grande parte em autoestrada, rondou os 16 kWh aos cem, descendo aos 14,7 kWh no percurso entre Régua e Vila Nova de Gaia.

A confirmar a sua vertente dinâmica, o Mégane com bateria EV60 de 220cv proporciona uma aceleração dos 0 aos 100 km/h em apenas 7,5 segundos – velocidade máxima limitada a 160 km/h.  

Em relação aos tempos de carregamento, com um carregador de corrente contínua de 130 kW, consegue-se carregar mais de 300 quilómetros em 30 minutos. Agora, se for ligado em casa, numa tomada normal de 2,3 kW, a operação levará mais de 30 horas (21 para a bateria pequena).

Os preços começam nos 35.850 euros da versão EV40 de 130cv no nível de equipamento Equilibre, seguindo-se a bateria EV60, também de 130cv, mas no nível de equipamento Evolution, com preços a partir de 41.850 euros. A versão de 220cv do EV60 começa nos 42.650 euros.

Preços Megane E-Tech:

  • EV40 130cv Equilibre: 35.850 euros
  • EV60 130cv Evolution: 41.850 euros
  • EV60 220cv Evolution: 42.650 euros
  • EV60 220cv Techno: 43.850 euros
  • EV60 220cv Iconic: 46.850 euros

Deixe o seu comentário

Pesquise aqui o seu futuro carro usado

Pub
Hyundai Kauai N-Line. Quando a irreverência enche (ainda mais) as medidas