O relatório da OCDE, apresentado esta segunda-feira, defende uma penalização dos carros a gasóleo. O Economic Survey da OCDE – Portugal 2019, foi divulgado pelo secretá­rio‑geral da OCDE, Angel Gurría, sugere que a tendência do preço dos combustíveis seja invertida, ou seja a gasolina continua a ser mais cara para o consumidor, embora o gasóleo seja mais poluente.

Apesar de reconhecer que o Governo subiu em dois cêntimos por litro o imposto sobre o gasóleo e desceu em dois cêntimos por litro o imposto sobre a gasolina em janeiro de 2017, a OCDE diz que não é suficiente.

“Este processo de convergência tem ainda algum caminho a percorrer, uma vez que o diferencial de imposto entre a gasolina e o gasóleo continua acima de 20 cêntimos por litro”. Para aquela organização devem mesmo “ser reconsideradas reduções adicionais no imposto sobre a gasolina”.

Relacionadas:

A tributação energética do carvão e do gás natural também deverá ser aumentada, segundo o relatório.

O objetivo é o de “recalibrar a economia para um crescimento mais ecológico”. Assim, Portugal deve “promover a utilização dos transportes públicos e o desenvolvimento de novas soluções de transporte partilhado, acompanhadas de uma supervisão e regulamentação adequadas”, além de “subir os impostos sobre o gasóleo e aumentar a tributação energética do carvão e do gás natural”.