Autoeuropa vai estacionar 10 mil carros na Base do Montijo

Novas regras de emissões levam Autoeuropa a guardar carros na Base do Montijo

0 aos 100 29/08/2018 Noticias

A Autoeuropa e a Força Aérea Portuguesa assinaram um protocolo para a utilização da Base Aérea nº6, no Montijo, para estacionamento de automóveis produzidos na fábrica da Volkswagen, em Palmela.

A Base Aérea servirá assim de parque de estacionamento para cerca de 10 mil automóveis nas próximas semanas. Isto é resultado da entrada em vigor a 1 de setembro da nova norma de emissões WLTP. Os automóveis que vão ficar estacionados no Montijo só podem ser vendidos quando forem homologados os novos motores pela entidade alemã KBA.

Relacionadas:

O grupo Volkswagen tem alugado espaços de estacionamento em vários aeroportos na Alemanha para parquear milhares de veículos enquanto aguardam pelos novos motores. Em Portugal, a fábrica de Palmela escolheu a Base Aérea do Montijo (BA6).

A Força Aérea confirma esta informação, através do porta-voz, tenente-coronel Manuel Costa. "A Força Aérea dispõe de um espaço, que será disponibilizado para esse efeito, na Base Aérea n.º 6, no Montijo. A utilização desse espaço não afetará, em circunstância alguma, a operação e a segurança da base. Os termos de utilização foram formalizados na assinatura do protocolo entre ambas as entidades", refere fonte oficial da fábrica de Palmela.

A norma europeia Worldwide Harmonized Light Vehicles Test Procedure (WLTP) vai permitir aos automóveis valores de consumos e de emissões poluentes mais realistas, o que poderá ter como resultado um agravamento dos preços atendendo à tabela fiscal de imposto sobre veículos (ISV), com incidência nas componentes de cilindrada e emissões de CO2.

Contudo, os consumidores portugueses não deverão sentir qualquer impacto na compra de carros novos, porque a Autoridade Tributária deverá assegurar a neutralidade fiscal da adoção dos novos protocolos de medição de emissões, segundo um despacho interno assinado pelo secretário de Estado dos Assuntos Fiscais, António Mendonça Mendes, no início deste mês.

Deixe o seu comentário