Centros de inspeção obrigados a fotografar veículos examinados

IMT esclarece alterações que visam trazer maior controlo sobre os veículos inspecionados

0 aos 100 28/09/2018 Curiosidades

O Instituto da Mobilidade e dos Transportes (IMT) publicou uma portaria onde esclarece algumas alterações a procedimentos que visam um maior controlo e aperto nos centros.

É nesta portaria que o IMT lembra que desde o dia 1 de agosto que os centros devem registar, entre outros, uma fotografia automática de todos os veículos sujeitos a verificação técnica. O IMT explica que esta é uma medida que vem trazer maior controlo sobre os veículos inspecionados.

Neste âmbito, nota o IMT, “considerando que a utilização de sistemas óticos de reconhecimento da matrícula e a integração automática no registo informático da inspeção, dos resultados dos ensaios realizados, constituem um elemento de melhoria do controlo e da transparência da actividade [sic] dos CITVs”, passa a ser obrigatório proceder ao registo fotográfico automático do veículo inspecionado, mas também proceder à “integração automática dos resultados dos ensaios realizados”.

Relacionadas:

Na lista de alterações, que entraram em vigor a 1 de agosto, está ainda a “aquisição e registo do número de rotações do motor e da sua temperatura, no âmbito do ensaio do sistema de controlo de emissões poluentes”, assim como a “utilização do equipamento fotométrico, na medição do índice de transmissão luminosa dos vidros”.

Outra medida em vigor desde dia 1 de agosto é a de utilização de detetor de fugas de gases combustíveis e, para os pesados, a “possibilidade de utilização do frenómetro para veículos pesados, para veículos com tara superior a 1,5 toneladas” e de “utilização da simulação de carga, no ensaio do sistema de travagem dos veículos pesados”.

Os procedimentos/alterações que entraram em vigor a 1 de agosto:

  • a) integração automática dos resultados dos ensaios realizados;
  • b) aquisição automática da fotografia dos veículos inspecionados;
  • c) aquisição e registo do número de rotações do motor e da sua temperatura no âmbito do ensaio do sistema de controlo das emissões poluentes;
  • d) utilização do equipamento fotométrico na medição do índice de transmissão luminosa dos vidros;
  • e) possibilidade de utilização do frenómetro para veículos pesados para veículos com tara superior a 1,5 toneladas;
  • f) utilização do detetor de fugas de gases combustíveis;
  • g) utilização da simulação de carga, no ensaio do sistema de travagem dos veículos pesados.

Deixe o seu comentário

Pesquise aqui o seu futuro carro usado

DS 3 Crossback BlueHDi 100. A virtude de ser diferente
Ensaio ao Renault Clio RS Line TCe 130 EDC: Faceta desportiva