Ensaio ao Peugeot 508 PSE. Sim, um Peugeot com 360cv!

O 508 PSE combina motor 1.6 turbo a gasolina e elétrico para tornar-se no Peugeot mais potente de sempre com 360cv. E ainda tem modo Elétrico...

Luis Neves 02/12/2022 Testes

É, provavelmente, o Peugeot mais surpreendente dos últimos tempos. E a razão é simples: uma berlina híbrida Plug-in com 360cv e uma dinâmica de um verdadeiro desportivo. Tudo neste Peugeot surpreende, até mesmo a economia que um Plug-in permite. O 508 PSE é a confirmação da capacidade tecnológica da divisão “Peugeot Sport Engineered” (daí PSE), que concebeu uma berlina ‘racing’ com estilo impactante, capaz de divertir, mas também economizar.

O 508 PSE começa por dizer ao que vem através do exterior, onde sobressaem os apêndices aerodinâmicos e equipamentos específicos (grelha específica com o leão em “Dark Chrome”, monograma 508 preto acetinado e 3 garras PSE, lâminas aerodinâmicas, proteções da carroçaria e entradas de ar específicas, jantes personalizadas de 20″ PSE ou o impressionante difusor traseiro, entre outros itens).

No interior, o formato compacto do volante, recortado na base e com as cores da “divisão” PSE lembram que este não é um 508 qualquer, detalhes que são acompanhados pelos bancos desportivos, soleiras de portas especificas, volante em couro com três garras ou o painel de instrumentos com cores e informação próprias.

A qualidade e apresentação do interior impressiona igualmente, considerando construção, materiais e equipamentos. Já a posição de condução baixa combina com o temperamento desportivo do 508 PSE. No demais, muita tecnologia à disposição quer do condutor, quer da condução. Existem vários programas de mudança de “temperamento” (Conforto, 4WD, Híbrido, Elétrico e Desportivo) Comfort, Efficient, Sport, Sport Plus) com regulação independente dos funcionamentos do amortecimento da suspensão, da resposta ao acelerador, entre outros.

Ao volante respira-se aquele ar tecnológico com características desportivas. Tudo está ao alcance e à vista, incluindo o cockpit digital de 12,3 polegadas, embora seja importante ajustar o volante um pouco mais para baixo para ter uma visão completa do ecrã. Isso, por outro lado, reforça a posição de condução, colocando-nos mais perto do solo, melhorando a sensação de equilíbrio e estabilidade.

Sim, um Peugeot com 360cv

A mecânica impressiona. E não apenas pelos números apresentados, que têm reflexo no desempenho. O 508 PSE associa um motor a gasolina 1.6 turbo de 200 cv e dois motores elétricos, um com 100 cv no eixo dianteiro e outro com 113 cv no eixo posterior, alimentados por uma bateria de iões de lítio de 11,5 kWh de capacidade que permite o carregamento por fonte de energia externa (Plug-In).

Ao todo, o módulo híbrido oferece uma potência de 360 cv e 520 Nm e garante ao 508 PSE uma autonomia em modo de funcionamento exclusivamente elétrico próxima dos 50 km, possível apenas praticando uma condução regrada.

Veja ainda:

Ao volante, a mecânica reage sempre com prontidão aos movimentos no acelerador, beneficiando da tecnologia que passa sem nos apercebermos de tração traseira, para as quatro rodas, proporcionando experiência mais desportiva por dispor de um programa manual, que operamos de forma sequencial em patilhas no volante. Ativando-o no modo Sport, a resposta fica mais rápida e sonoridade do motor de combustão um pouco mais expressiva.

Os números do 508 PSE são elucidativos, como os 0 aos 100 km/h em 5,2 segundos, números que deixam perceber o vinco desportivo desta versão, com arranques fulminantes, enorme capacidade motriz e resposta imediata por parte da caixa automática. Até a travagem oferece potência e tato consistente, sem os efeitos de que costumam padecer os híbridos, devido à travagem regenerativa.

E os consumos?

Estes podem variar entre tão-só 2 litros/100 km reais – aproveitando a carga completa da bateria para conduzir o 508 PSE em modo elétrico até cerca de 50 km – e pouco mais de 6 litros/100 km em modo híbrido, quando conduzido com alguma calma.

Necessitando de recarregar a bateria com o motor térmico, os consumos sobem para 7 a 8 litros/100 km, e elevando-se as performances desportivas disparam para além de 10 litros/100 km.

A bateria pode ser carregada em menos de 7 horas a partir de uma tomada doméstica convencional, em 4 horas numa ligação de 3,7 kW, descendo para 2 horas a partir de um ponto de carga de 7,4 kW.

Dinâmica apurada

Em estrada, o 508 SW agarra-se à estrada e curva com rapidez e distinção, preferindo estrada aberta em detrimento de encadeados de curva, onde não esconde as dimensões avantajadas do 508 e, especialmente, o peso elevado do conjunto. Algo que não impede, contudo, rápidas acelerações e retomas de velocidade, como resultado da rápida entrega da potência elétrica.

A suspensão, de resto, filtra bem os pisos e elimina os rolamentos da carroçaria nas transferências de massa. As rodas de 20 polegadas, calçadas por pneus Michelin Pilot Sport 4S, asseguram uma aderência excecional.

Conclusão

Custa 69 mil euros. O 508 PSE não é barato, mas apresenta-se como uma excelente alternativa às opções alemãs (BMW 330e e Mercedes-Benz C 300e, por exemplo), para quem procura uma berlina potente, com aspirações desportivas, e diferente dos demais.

MAIS

  • Imagem
  • Mecânica
  • Performance
  • Exclusividade

MENOS

  • Transmissão lenta em condução desportiva  
  • Preço

FICHA TÉCNICA

Peugeot 508 PSE

Motor: 4 cilindros em linha, injeção direta, turbo, gasolina + sistema híbrido plug-in (2 motores elétricos)
Cilindrada (cm3): 1598
Bateria (kWh): 11,5
Potência: 360cv
Binário máximo (Nm): 520 
Tração: Integral
Caixa: Automática de 8 velocidades
Aceleração (0-100 km/h): 5,1 segundos
Velocidade máxima: 250 km/h
Consumo misto (anunciado): 1,8 l/100 km (WLTP)
Autonomia elétrica: 46 km (WLTP)
Emissões de CO2: 46 g/km (WLTP)
Peso: 1875 kg
Preço unidade ensaiada: 68.015 euros

Deixe o seu comentário

Pesquise aqui o seu futuro carro usado

Hyundai Kauai N-Line. Quando a irreverência enche (ainda mais) as medidas
Pub