Novos radares em Lisboa 'apanham' carro a 240 km/h

As avenidas Lusíada, Padre Cruz e Infante Dom Henrique são as zonas com maior número de infrações registadas.

0 aos 100 23/07/2022 Noticias

Os novos radares de controlo de velocidade instalados em Lisboa registaram mais de 60 mil infrações e uma receita de 275.724 euros só no primeiro mês e meio de funcionamento.

"Entre 01 de junho e 15 de julho foram registadas um total de 62.123 ocorrências no sistema de radares fixos em Lisboa", segundo o gabinete do presidente da câmara, Carlos Moedas.

Os 41 novos radares, 21 que substituem equipamentos antigos e 20 em novas localizações, começaram a funcionar a partir de 1 de junho, e a Câmara de Lisboa teve uma receita de 275.724 euros desde o início do ano até 30 de junho, "respeitante a 4.049 autos pagos por infração a velocidade/radares fixos".

"Os radares fixos estiveram inoperacionais, mas as contraordenações só prescrevem ao fim de dois anos, pelo que estamos sempre a receber pagamentos de coimas", explicou a autarquia, citada pela agência Lusa.

Sublinhe-se, no entanto, que a receita para a autarquia corresponde apenas a 55% do montante da coima paga, uma vez que os restantes 45% revertem para a Autoridade Nacional de Segurança Rodoviária (10%) e para o Estado (35%).

Em relação aos locais que registam maior número de ocorrências, a autarquia indicou, à agência Lusa, que são as avenidas Lusíada, Padre Cruz e Infante Dom Henrique, revelando que "a maior velocidade captada no sistema de radares de Lisboa foi a de 240 km/h na Avenida Marechal Craveiro Lopes, junto às bombas do posto Repsol, no sentido Aeroporto/Benfica".

A Câmara Municipal de Lisboa pretende com os novos 41 postos de controlo de tráfego, diminuir a velocidade praticada nas vias, reduzir o número de sinistros e consequentemente diminuir a gravidade dos feridos quando acontecem os acidentes rodoviários. 

Deixe o seu comentário

Pesquise aqui o seu futuro carro usado

Pub
Hyundai Kauai N-Line. Quando a irreverência enche (ainda mais) as medidas