'Piscas', o sinal mais esquecido

Falta de sinal ao ultrapassar outro veículo, sair de uma rotunda e estacionar são os descuidos mais comuns

0 aos 100 12/07/2020 Curiosidades

O seu som é inconfundível. São ativados 220.000 vezes ao longo da vida útil de um veículo, mas mesmo assim os sinais de mudança de direção, também conhecidos como "piscas", são muitas vezes esquecidos. De acordo com um estudo do Abertis Global Observatory sobre o comportamento dos condutores na rede espanhola de autoestradas, 67% dos condutores não os mantêm ligados durante toda a manobra de ultrapassagem, e 53% nem sequer os ativam para mudar de faixa de rodagem. Os números não deverão variar muito em relação ao que acontece em Portugal.

Magnólia Paredes, responsável pelo desenvolvimento, iluminação e testes eletrónicos na SEAT, recorda que “são um elemento de sinalização essencial, uma vez que são a forma de alertar os outros condutores das nossas intenções”

Equipamento tem um mais de um século

Foi a atriz Florence Lawrence, considerada a primeira estrela de cinema, que inventou o sinal de mudança de direção em 1914, quando na sua garagem criou para um dos seus automóveis um dispositivo ligado ao pára-choques traseiro do automóvel que, quando um botão era pressionado, elevava um sinal de mudança de direção. Passados todos estes anos, o mecanismo, muitíssimo mais evoluído, ainda não é corretamente utilizado por todos.

Magnólia Paredes deixa as dicas essenciais:

A regra de segurança RSM (Rearview Mirror-Signal-Maneuver): Antes de indicar qualquer manobra, é obrigatório verificar, através dos espelhos, se esta pode ser efetuada em segurança. Se for este o caso, deve ser assinalado com antecedência suficiente para que outros condutores possam reagir. Mas também se deve evitar antecipar demasiado para não confundir outros condutores.

A sinalização não lhe dá o direito de passagem: Ao mudar de direção ou faixa, é importante sinalizar para anunciar as próximas manobras, mas esta sinalização não dá prioridade na passagem. Deve-se respeitar a condução de outros veículos e não provocar situações perigosas.

Toda a manobra: Não só deve ser indicado o início de uma manobra de ultrapassagem, como também o sinal de mudança de direção deve ser mantido ativo até ao regresso à faixa de rodagem.

Ao sair da rotunda: a sua utilização nas rotundas é básica porque é um dos pontos onde ocorre a maioria dos acidentes. Não é necessário sinalizar que está a entrar ou que vai continuar a virar, mas deve utilizar o sinal de mudança de direção para indicar que está a mudar de faixa e que vai sair da rotunda na próxima saída.

O estacionamento e engarrafamentos não são uma emergência: Muitos condutores utilizam muitas vezes por engano os quatro sinais de mudança de direção numa paragem de trânsito. Mas se vai parar de repente, deve avisar os outros condutores usando repetidamente as suas luzes do travão, evitando as luzes de perigo.

Além disso, a forma correta de alertar para uma paragem ou da sua intenção de estacionar é com o indicador do lado onde planeia deixar o seu veículo.

 

Deixe o seu comentário

Pesquise aqui o seu futuro carro usado

Ensaio ao Renault Clio RS Line TCe 130 EDC: Faceta desportiva
DS 3 Crossback BlueHDi 100. A virtude de ser diferente