VÍDEO: Opel já testa Corsa elétrico de ralis

Dois protótipos encontram-se em testes no Centro de Teste de Dudenhofen

0 aos 100 12/12/2019 Desporto

Segue a bom ritmo o desenvolvimento daquele que é o primeiro carro elétrico de ralis do mundo, o Corsa-e destinado ao ADAC Opel e-Rally Cup, troféu de ralis que será disputado na Alemanha na temporada de 2020/21.

A Opel já construiu dois protótipos que estão a fazer parte de um programa de testes de durabilidade no Centro de Testes de Dudenhofen. «Queremos que ambos os carros façam o maior número possível de quilómetros, o que nos permitirá reunir o máximo de informação numa fase inicial», explica o Diretor da Opel Motorsport, Jörg Schrott.

«Não existia experiência de carros elétricos em ralis em que nos pudéssemos basear, portanto tivemos que realizar cálculos e simulações na fase mais embrionária, os quais vão sendo agora gradualmente substituídos por dados recolhidos em condições reais. Entre os múltiplos aspetos em que nos estamos a debruçar, dedicamos particular atenção à gestão de cargas e temperaturas da bateria em condições de rali, ao mesmo tempo que vamos procedendo a adaptações do ‘software’», completa Jörg Schrott.

Veja ainda:

Na segunda fase do programa, a equipa da Opel Motorsport dedicar-se-á às performances do Corsa-e Rally. Uma vez mais, Schrott esclarece que é fundamental que as performances de todos os automóveis permaneçam constantes sob todas as condições de forma a manter a competitividade entre os concorrentes.

Uma vez concluído o programa de desenvolvimento do Corsa-e Rally, a Opel construirá uma unidade-referência que servirá de padrão para as unidades a produzir para equipas clientes. A marca prevê construir 20 exemplares para a temporada 2020/21, dos quais 15 serão entregues no verão, a tempo da primeira prova de teste, a realizar no mês de julho.

Diferentes modos de funcionamento para troços e ligações

O Corsa-e Rally utiliza o mesmo motor elétrico (e bateria) da versão de estrada, com 136 cv de potência. Com 50 kWh de capacidade, este acumulador permite obter autonomia de 337 km de acordo com a norma WLTP.

Com o objetivo de otimizar a autonomia em prova, a gestão eletrónica do sistema de motorização permite optar entre três modos de funcionamento diferentes. No ‘Modo Competição’, o sistema debita a máxima potência e o máximo binário. Uma vez que os automóveis elétricos entregam binário máximo instantâneo, o ‘Modo Chuva’ modela a curva de binário para melhorar a tração em pisos escorregadios. Nas ligações entre provas especiais de classificação, as equipas deverão selecionar o ‘Modo Eco’ de poupança de energia.

Deixe o seu comentário

Pesquise aqui o seu futuro carro usado

DS 3 Crossback BlueHDi 100. A virtude de ser diferente
Ensaio ao Renault Clio RS Line TCe 130 EDC: Faceta desportiva