França avança com denúncia contra Carlos Ghosn por gastos suspeitos

Carlos Ghosn, ex-presidente da Renault-Nissan, foi preso no Japão onde aguarda julgamento por desvio de dinheiro, fraude fiscal e má-gestão. Desviou 11 milhões de euros para uso pessoal

0 aos 100 05/06/2019 Noticias

O ministro francês da Economia e Finanças, Bruno Le Maire, disse que França vai apresentar à Justiça todos os elementos sobre “gastos suspeitos” do ex-presidente da Renault-Nissan, Carlos Ghosn formalizando uma denúncia.

O antigo presidente da empresa construtora de automóveis foi preso no Japão onde aguarda julgamento por desvio de dinheiro, fraude fiscal e má-gestão.

De acordo com Bruno Le Maire, o Estado francês vai formalizar uma denúncia sobre alegados gastos considerados suspeitos tendo em conta as filiais comuns entre a Nissan e a Renault.

“Evidentemente que vai haver uma denúncia”, disse o ministro da Economia e Finanças francês em entrevista à cadeia de televisão BFMTV referindo-se à auditoria interna às atividades de Carlos Ghosn na Renault, em França, e que evidenciam “factos reprováveis”.

Le Maire insistiu que o Estado francês – que é o primeiro acionista da Renault, com 15% – pediu a auditoria interna depois da prisão de Ghosn no passado mês de novembro em Tóquio.

O Conselho de Administração da Renault indicou na terça-feira ter detetado que o antigo “patrão” da empresa, que também era responsável pela Nissan, pode ter utilizado para fins pessoais 11 milhões de euros que terá desviado da filial holandesa da aliança do grupo Renault-Nissan (RNBV).

As novas suspeitas podem também dar início a um novo processo judicial contra Ghosn na Holanda.

Em França, a Procuradoria Nacional já abriu entretanto uma investigação aos fundos da RNBV, supostamente injustificados.

Deixe o seu comentário

Pesquise aqui o seu futuro carro usado

Ao volante do Hyundai Kauai Hybrid. Inteligência funcional
Mercedes-Benz B 250e: ora elétrico, ora gasolina!