“Isto não é o Dakar", referiu Joaquim Rodrigues Jr., em declarações à agência Lusa, a partir do bivouac [acampamento], em Arequipa, onde a caravana passou este sábado o dia de descanso da competição, aludindo ao facto de a prova decorrer integralmente no Peru, algo inédito na história da competição.

"Isto não é o Dakar. Não é este o espírito original do Dakar. É duríssimo, é verdade, mas o espírito não é o mesmo e torna-se perigosíssimo. Enfrentamos retas de 14 quilómetros, no meio de ‘fesh-fesh’ [pó muito fino], de pedras e de ‘prego a fundo'. É só gente a cair", relatou.

Uma das vítimas da dureza do percurso foi precisamente o cunhado do piloto de Barcelos, Paulo Gonçalves (Honda), que foi transportado de helicóptero no decorrer da quinta etapa, na sexta-feira, após uma violenta queda que lhe provocou um ligeiro traumatismo craniano.

O piloto da Hero reconheceu ter ficado afetado pelo abandono de Paulo Gonçalves, mas ainda mais por voltar a passar no sítio onde sofreu a queda que ditou o abandono da prova em 2018, na primeira etapa, com uma fratura na coluna.

Joaquim Rodrigues recordou a semana “cheia de problemas”, como uma avaria na bomba de combustível, no segundo dia, uma queda, no terceiro, na qual perdeu o ‘road book’, retirando-o dos primeiros lugares.

“Na quinta etapa, também estava no meio do pó e depois de passar pelo meu cunhado, segui com calma", frisou.

Joaquim Rodrigues Jr. chegou ao dia de descanso na 28.ª posição, a 2:37.53 horas do líder, o norte-americano Ricky Brabec (Honda).

"O objetivo agora é terminar o que não consegui no ano passado e chegar ao final da prova", frisou o barcelense.

Mário Patrão (KTM), na 21.ª posição, é português mais bem classificado, a 1:52.45 horas do comandante.

António Maio (Yamaha), o luso-alemão Sebastian Bühler (KTM), David Megre (KTM), Fausto Mota (Husqvarna) e Miguel Caetano (Yamaha) seguem, respetivamente, nos 30.º, 33.º, 44.º, 49.º e 88.º lugares.

Miguel Jordão (Can-Am) é o primeiro luso nos SxS, no oitavo lugar, 2:12.32 horas do líder, o chileno Rodrigo Piazzoli (Can-Am). Ricardo Porém (Can-Am) segue no 10.º lugar e Pedro Mello Breyner (Can-Am) no 19.º.