O automóvel que deteta ciclistas

A 72km/h, o Seat Tarraco consegue a travar 20 metros antes de uma possível colisão com um ciclista que circule na mesma direção

0 aos 100 17/12/2018 Curiosidades

Um engenheiro da Seat e dois aficionados do ciclismo partilham a estrada numa demonstração do funcionamento do novo assistente à condução do Tarraco: uma ajuda ao volante destinada a proteger estes veículos de duas rodas, envolvidos em 8 por cento dos acidentes que se produzem na Europa. Eis como funciona:

- O automóvel é capaz de reconhecer uma bicicleta: Esteban Alcantara, diretor do departamento de tecnologia de segurança ativa, da Seat, encontra dois ciclistas a circular, a par, na faixa de rodagem. Ao aproximar-se destes, "um radar instalado na dianteira do automóvel deteta a presença de ciclista(s) através do formato da silhueta criada pela bicicleta e o ciclista, e dependendo da trajetória e velocidade de ambos os veículos – do automóvel e da(s) bicicleta(s) -, desencadeia uma série de ações para evitar uma eventual colisão", afirma o responsável.

- Ao detetar que uma colisão ocorrerá dentro de 1,5 a 2 segundos, a tecnologia ativa um aviso visual e acústico. Se o condutor não fizer qualquer manobra de prevenção, o próprio veículo acionará automaticamente o sistema de travagem de emergência, entre 0,8 e 1 segundo antes de o (eventual) acidente ocorrer.

Segundo o engenheiro, numa situação real, significa que a uma velocidade de 72 km/h, o automóvel iria começar a travar aproximadamente 20 metros antes de uma mais do que provável colisão".

- 1.200 testes de desenvolvimento: é o número de experiências realizadas para comprovar o funcionamento deste sistema de assistência. Para isso, foram recriados 450 cenários diferentes em pista. 

“Realizaram-se simulações de condução real. Foram utilizadas estruturas que reproduzem as propriedades dos diferentes utilizadores da via, como peões e ciclistas, para testar como responde o veículo em cada um destes casos”, explica este engenheiro.

- O condutor é o responsável final: Alcántara lembra que os assistentes de condução são uma grande ajuda ao volante: “os sistemas de Segurança Ativa representam um papel cada vez mais importante na proteção dos utilizadores da via e, em alguns casos, podem evitar acidentes ou minimizar as suas consequências”. 

No entanto, este perito sublinha que a responsabilidade final é sempre de quem que vai ao volante. “Este tipo de assistentes, em nenhum caso substituem a obrigação do condutor em permanecer atento à estrada, respeitar as normas de circulação, reduzir a velocidade e manter a distância de segurança ao ultrapassar um ciclista”, relembra. Por seu lado, os ciclistas estão obrigados a circular pela direita, usar capacete fora das localidades e não podem circular em pelotão.

Deixe o seu comentário

Pesquise aqui o seu futuro carro usado

DS 3 Crossback BlueHDi 100. A virtude de ser diferente
Ensaio ao Renault Clio RS Line TCe 130 EDC: Faceta desportiva