Ei-lo (finalmente) sem segredos, o Bugatti Divo

Um Chiron feito para as curvas. Apenas 40 serão feitos, cada um por 5 milhões de euros

0 aos 100 24/08/2018 Noticias

A Bugatti revelou a versão mais musculada (e ágil) do Chiron. Chama-se Divo, é 35 kg mais leve, tem 90 kg mais downforce do que o Chiron e promete devorar curvas como nenhum outro superdesportivo. E tem mais truques na manga.

A revelação aconteceu no Concurso de Elegância de Pebble Beach, na Califórnia, onde o fantástico supercarro surgiu, e não desiludiu aqueles que queriam ver as formas definitivas daquele que é anunciado como o carro mais caro do mundo: 5 milhões de euros (o dobro do Chiron). Só 40 serão produzidos e todos já estão vendidos.

O Divo distingue-se por um desenho que pouco partilha com o Chiron. As alterações focaram a aerodinâmica (e tornaram-no ainda mais agressivo), o que resultou em 90 kg de downforce, que faz toda a diferença em curva.

Até o tejadilho foi redesenado, ganhando um “duto” aerodinâmico, o que, combinado com uma cobertura de motor especialmente projetada para o Divo, garante um volume de ar “muito alto” para o compartimento do motor para arrefecer o motor W16 de 8,0 litros.

O peso foi reduzido atravês de ajustes no difusor dianteiro, além de um sistema de som mais “humilde”. Além disso, a Bugatti retirou alguns compartimentos da consola central e acabamentos nas portas.

Relacionadas:

O trabalho foi tão bem feito que o Divo é 8 segundos mais rápido que o Chiron na pista de Nardo. Segundo o presidente da Bugatti, o Divo tem muito mais aceleração lateral, agilidade e capacidade em curva que o Chiron, com Winkelmann a referir que “mudamos o equilíbrio do carro para ser excelente na aceleração lateral e na capacidade em curva.”

Contudo, a velocidade máxima está limitada aos 380 km/h, mas dos 0 aos 100 km/h faz 2,4 segundos. A intenção com o Divo foi fazer um carro que fosse incrível em curvas e não em linha reta, como o Chiron ou o Veyron

“A nossa missão foi desenvolver um veículo que tivesse um aspeto diferente do Chiron, mas que fosse imediatamente reconhecido como um Bugatti. Quer isto dizer que os três elementos de estilo essenciais da Bugatti tiveram de se manter: a grelha em forma de ferradura de cavalo, a linha de assinatura da marca na lateral e a barbatana que define o eixo longitudinal quando visto de cima", referiu Achim Anscheldt, o responsável técnico do Divo.

O nome Divo, de resto, é uma homenagem a Albert Divo, um francês piloto de aviação e de automóveis que venceu duas vezes a Targa Flório com um Bugatti.

Deixe o seu comentário