Estes são os carros em segunda mão mais fiáveis

Se procura um carro em segunda mão, estes são os mais fiáveis

0 aos 100 15/03/2018 Ajuda

A fiabilidade, ou falta dela, é um dos pontos que pesa decisivamente no momento de comprar carro, seja novo ou usado. Para ajudar, a alemã Dekra divulga todos os anos o “Relatório de Falhas” (DEKRA Used Car Report), com os modelos mais fiáveis por segmento.

O Indicador de Falhas DEKRA (DFI – DEKRA Fault Index) teve como base um universo de 15 milhões de veículos usados em toda a Europa, envolvendo pelo menos 1000 unidades de cada modelo, e quatro intervalos de quilometragem, entre os 0 e os 50 mil km, 50.000 e os 100.000 km, dos 100.000 aos 150.000 e entre os 150.000 e os 200.000, uma novidade este ano.

O número de problemas detetados tem apenas em consideração o veículo, e não os que podem ser atribuídos ao proprietário, como o estado dos pneus ou das escovas limpa-vidros.

Relacionadas:

Os parâmetros considerados, que têm em conta vários veículos dentro do mesmo segmento de mercado, são: motor/ambiente; chassis/direção; carroçaria/estrutura/interior; sistema elétrico/eletrónico/iluminação e sistema de travagem.

Entre os utilitários, o Audi A1 (comercializado desde 2010), surge como o mais fiável (em 2017 foi o Honda Jazz), com 82,6 por cento dos veículos analisados sem qualquer problema detetado.

Outro Audi, o A3 (lançado em 2012) foi eleito o melhor dos familiares (BMW Série 1 em 2017), com 91 por cento dos veículos analisados sem problemas detetados, enquanto o A4 (lançado em 2008) destacou-se entre os turismos médios (Volvo S60/V60 em 2017) com 87,7 por cento.

A Audi garantiu os melhores resultados entre mais duas categorias, a dos modelos de alta gama com o A6 (lançado em 2011), de resto, o melhor de todos os modelos analisados, com 94,6 por cento, e entre os desportivos, com o TT (lançado em 2006), com 81,0.

Já a Mercedes-Benz garantiu três “vitórias”, a começar pelos SUV, onde o Classe M/GLE (lançado em 2011) deu cartas (Audi Q5 em 2017), com 92,4 por cento, de resto, o segundo modelo com menor número de veículos com problemas.

Venceu ainda entre os monovolumes com o Classe B (lançado e 2011) - Ford C-Max venceu em 2017 -, com 91,4 por cento, e nos Grandes Comerciais com o Sprinter (lançada em 2006), com 62,5 por cento (Renault Master em 2017).

Por último, a Volkswagen Amarok (lançada em 2010) conseguiu os melhores resultados entre os pequenos comerciais (Mercedes-Benz Vito em 2017), com 71,0 por cento dos veículos analisados sem qualquer problema detetado.

Os mais fiáveis de 2018:

Utilitários: Audi A1 (82.6 DFI)

Compactos: Audi A3 (91,0 DFI)

Familiares Médios: Audi A4 (87,7 DFI)

Gama alta: Audi A6 (94,6 DFI)

Desportivos e descapotáveis: Audi TT (81,0 DFI)

SUV: Mercedes-Benz Classe M/GLE (92,4 DFI)

Monovolumes: Mercedes-Benz Classe B (91,4 DFI)

Pequenos Comerciais: Volkswagen Amarok (71,0 DFI)

Grandes Comerciais: Mercedes-Benz Sprinter (62,5 DFI)

Deixe o seu comentário