Europeus ainda acreditam nos motores a gasolina e diesel

Inquiridos acreditam que motores de combustão interna ainda têm muito para evoluir

0 aos 100 16/02/2018 Curiosidades

Um estudo promovido pela Mazda revela que perto de 60 por cento dos condutores europeus defende a continuidade dos motores a gasolina e gasóleo independentemente da tendência elétrica que ganha cada vez mais forma.

Esta é uma conclusão do inquérito realizado para o Mazda Driver Project que questionou mais de 11 mil pessoas ao longo de vários mercados automóveis europeus, pois, “58 por cento” das pessoas declararam acreditar que “ainda há muita inovação e evolução por conseguir com os motores a diesel e a gasolina”. A percentagem ascende aos 65% na Polónia e é superior a 60% na Alemanha, Espanha e Suécia.

Os principais resultados demonstram que os consumidores não partilham, necessariamente, da posição de muitas organizações que defendem que o motor de combustão interna não tem qualquer papel a desempenhar no futuro dos automóveis.

Relacionadas:

Esta realidade é também demonstrada pelo facto de 31% dos condutores esperar que “os carros a gasóleo irão continuar a existir”, à medida que os carros eléctricos se vão tornando mais comuns, número que ascende a 58% na Polónia. Além disso, cerca de 33% dos condutores inquiridos afirmou que se os custos de utilização fossem os mesmos aos de um carro eléctrico, continuariam a preferir “um carro a gasolina ou a gasóleo”. Em Itália, 54% dos condutores expressaram esta opinião.

Apesar da crescente dinâmica em torno dos veículos autónomos, apenas 33% dos condutores “acolhem favoravelmente o surgimento dos carros com condução autónoma”, percentagem que em França e na Holanda desce para 25%.

Estas conclusões chegam num momento em que a Mazda reforça a sua estratégia “Sustainable Zoom-Zoom 2030” que visa combinar o melhor dos motores de combustão interna com tecnologias de electrificação eficientes. Fundamental para esta ambição é o SKYACTIV-X, o primeiro motor a gasolina disponível comercialmente, a nível mundial, a utilizar ignição por compressão. Este novo motor combina as vantagens dos motores a gasolina e a gasóleo de forma a atingir um excelente desempenho ambiental, bem como em termos de potência e de aceleração.

Jeff Guyton, Presidente e CEO da Mazda Motor Europe, declarou: “Os resultados do estudo são fascinantes. Toda a base da nossa campanha ‘Drive Together’ consiste no prazer de condução, e parece mesmo que os condutores europeus estão a contar com o motor de combustão interna ainda por muitos e bons anos. Pela nossa parte, estamos empenhados nesse mesmo objectivo de tornar a experiência de condução ainda mais enriquecedora para os automobilistas de todo o mundo.”

Em média, 69 por cento dos condutores “espera que as gerações futuras continuem a ter a opção de poder conduzir automóveis”, percentagem que ascende aos 74% na Polónia e aos 70%, ou mais, no Reino Unido, Alemanha, França e Suécia.

Deixe o seu comentário

Pesquise aqui o seu futuro carro usado

Ensaio ao Mazda3 1.8 Skyactiv-D 116cv Evolve: Direto ao topo
Peugeot 508 2.0 HDi 160cv GT Line: Grande 'espada'