Atenção: gel desinfetante pode danificar o volante

Álcool é o pior agente possível para a integridade do couro que reveste os volantes

0 aos 100 14/06/2020 Ajuda

Cuidado com o álcool em gel ou antissépticos quando se senta ao volante: eles podem danificar volante e botões do interior dos automóveis. O alerta é da Craft Customs, uma empresa que repara e estofa diferentes áreas do carro, especialmente aquelas com mais contacto (volantes e manetes da caixa de velocidades).

Os testes realizados com o couro que normalmente cobre a maioria dos volantes e o gel desinfetantes para as mãos demonstram que o álcool presente no gel danifica rapidamente a pele quando em contato direto.

Os especialistas referem que o álcool, o principal ingrediente do gel - que, por outro lado, é o que permite que o vírus seja removido das mãos - é o pior agente possível para a integridade do couro que o cobre.

Embora não sejam utilizados como produto de limpeza, deve-se tomar certas precauções porque, quando agarramos o volante depois de limparmos as mãos com o gel colocamos em risco a integridade do couro.

As peles utilizadas nos estofos de carros são tratadas com produtos que as protegem frente a agentes como suor, pó ou cremes, os elementos que mais frequentemente estão nas nossas mãos, mas não a agentes como o álcool ou gasolina, daí seu alto poder destrutivo.

Veja ainda:

E que podemos fazer, dado que nos próximos meses teremos de continuar a ser cautelosos contra possíveis surtos, e será necessário usar o gel desinfetante? Logicamente, não podemos parar de desinfetar as mãos, mas, depois disso, devemos secar bem as mãos com um pano ou papel de cozinha para tentar eliminar o máximo de álcool possível.

A recomendação para o cuidado do interior do carro é o de limpar uma ou duas vezes por ano e utilizar água com uma pitada de sabão para lavar louça, um produto que não agride o couro e também elimina o vírus. Embora não esquecer que o produto ideal para cuidar dos revestimentos do carro são produtos de limpeza e condicionadores de couro, embora estes não tenham um efeito batericida.

Deixe o seu comentário

Pesquise aqui o seu futuro carro usado

Ensaio ao Renault Clio RS Line TCe 130 EDC: Faceta desportiva
DS 3 Crossback BlueHDi 100. A virtude de ser diferente