Qual o estado de um Audi A4 1.9 TDI com 870.000 km?

O motor 1.9 TDi é conhecido pela sua durabilidade e solidez. Mas qual será o estado depois de 870 mil quilómetros

0 aos 100 28/03/2020 Curiosidades

O que vale um modelo como o Audi A4 1.9 TDi com quilómetros para “dar e vender”? Por exemplo, 870.000 quilómetros. Foi o que a CarThrottle decidiu fazer. Compraram por 200 libras esterlinas (o equivalente a cerca de 230 euros) um Audi A4 1.9 TDI - um B6, para sermos mais concretos – com a assustadora quilometragem de 870.000 km.

Segundo o vendedor, o carro tinha embraiagem, caixa de velocidades, motor e turbo originais. De seguida foi levado à Volkstechniks - um especialista em veículos do Grupo Volkswagen - para conhecer o estado real do veículo.

A unidade em causa é equipada com o popular (e saudoso...) motor 1.9 TDI de injetor-bomba, conhecido pela sua durabilidade e solidez. Um requisito indispensável para que um carro assim dure tantos anos e quase um milhão de quilómetros sem avarias de maior é uma manutenção cuidada e preventiva.

Aparentemente, esta unidade do Audi A4 foi mantida num concessionário e em especialistas independentes durante toda a sua vida, em intervalos de seis meses durante os seus últimos anos. 

Veja ainda: 

Apesar de ter passado a vida inteira no Reino Unido - com invernos rigorosos e regularmente sal nas estradas - o carro revela poucos sinais de ferrugem ou corrosão. Apenas uma das tiras de aço que prendem o depósito de combustível, algumas braçadeiras de aço e partes do subquadro mostram corrosão na superfície. A situação dos discos dos travões é preocupante: estão muito desgastados e possivelmente os que foram instalados em 2003, quando o carro foi produzido.

Quanto à mecânica, além de pequenas pingas de óleo, visualmente não se vislumbram falhas – inclusivamente o tubo de escape que ainda é o original. Foi desmontada a válvula EGR, ainda totalmente funcional, apesar de uma quantidade significativa de depósitos de carbono no interior. A válvula foi limpa, mas não o coletor de admissão - onde haverá uma boa quantidade de depósitos.

O que não está nas melhores condições é a embraiagem, que acusa o peso dos mais dos 800 km. Ligado ao computador de diagnóstico, vários códigos de erro surgiram. As únicas preocupações são dois sensores frontais que ativam os airbags em caso de acidente. Sensores que devem ser substituídos para que o carro tenha novamente os sistemas de segurança funcionais.

O carro terá estado envolvido numa colisão frontal - não muito grave - devido ao estdo do radiador do ar condicionado, dobrado e não funcional. O orçamento de reparação é de pouco mais de 1.500 libras, quase seis vezes acima do valor do carro.

Mesmo que não seja um carro perfeito, ainda assim será totalmente funcional por muitos mais quilómetros, se for mantido adequadamente. O milhão é por isso uma meta ao virar da esquina.

Deixe o seu comentário

Pesquise aqui o seu futuro carro usado

Ensaio ao Renault Clio RS Line TCe 130 EDC: Faceta desportiva
DS 3 Crossback BlueHDi 100. A virtude de ser diferente