Peugeot 308 já tem motor 1.5 HDi

Um dos três novos motores para a gama 308. Conheça os preços

Miguel Costa 08/01/2018 Noticias

O Peugeot 308 é o primeiro automóvel do Groupe PSA a estrear três novos motores que respeitam já a norma Euro 6.2d, a aplicar no ano de 2020, e que impõe que as emissões de óxidos de azoto (NOx) dos motores, em condições reais, não excedam 1,5 vezes as registadas durante os testes no banco de ensaios.

São estes os 3 novos motores disponibilizados no 308, que respeitam esse futuro “fator 1,5”: o motor a gasolina 1.2 PureTech 130cv, o novo motor diesel 1.5 BlueHDi 130cv, e o novo motor diesel 2.0 BlueHDi 180cv.

O novo BlueHDi de 130 cv, bloco de quatro cilindros, tem uma cilindrada de 1,5 litros (1.499 cc). Está disponível com uma caixa manual de seis velocidades, promete performances semelhantes a motores de 2.0 litros, e oferece 10 cavalos adicionais face ao 1.6 BlueHDi de 120 cv que substitui.

Com a potência máxima alcançada às 2.750 rpm e o binário máximo de 300 Nm às 1.750 rpm, o 308 equipado com este motor atinge os 204 km/h de velocidade máxima, mais 1 km/h do que a equivalente SW. As acelerações dos 0 aos 100 km/h fazem‑se, respetivamente, em 9,8 e 10 segundos.

Apesar do incremento de força, o novo motor mostra-se mais frugal, com ganhos de consumos entre os 4% e os 6% em comparação com o motor de 120 cv, devido à redução da cilindrada, a um novo comutador de elevada eficiência e a um novo sistema de combustão, de geometria patenteada. Os consumos, em circuito misto, iniciam-se nos 3,3 l/100 km para a Berlina e nos 2,5 l/100 km para a SW.

Outra estreia associada a este bloco 1.5 BlueHDi de 130 cv é o sistema de antipoluição mais evoluído, o qual vai, desde já, ao encontro do futuro “fator 1,5” de NOx (óxido de azoto) a implementar em 2020. Com uma presença e arquitetura inovadora, o sistema trata as emissões simultaneamente na fonte e no escape, garantindo uma maior eficiência na eliminação destes gases, ao mesmo tempo que se garante consumos otimizados.

Mais compacto, este sistema de antipoluição reúne num único pacote um catalisador de redução seletiva (SCR) de segunda geração e um filtro de partículas (DPF), implantados próximo do motor, permitindo ações de pré e pós-processamento mais rápidas. Por outro lado, asupressão do aditivo do FAP implica menores custos de utilização para o cliente, fazendo-se a manutenção através de abastecimento de AdBlue®, em entrada própria, nas proximidades do bocal de combustível.

Neste domínio das emissões para este novo bloco 1.5 BlueHDi 130 CVM6, os valores iniciam-se nos 93 (Berlina) e 95 (SW) g/km de CO2, ou seja, bastante abaixo do limiar das 100 g/km (nota: dependendo do nível de equipamento).

Sobre o PureTech 130cv, este motor adota um Filtro de Partículas de Gasolina (GPF) para reduzir as emissões de partículas (eficácia de filtragem superior a 75%), um sistema de antipoluição ainda mais eficaz, e uma combustão otimizada, enquanto o  motor diesel BlueHDi de 180 cv passou a contemplar uma transmissão automática EAT8 de nova geração, que permite uma redução dos consumos até 7% face à anterior caixa EAT6.

Os preços arrancam nos 2.060 euros (26.300 euros no caso da SW) para o motor 1.2 PureTech 130 CVM6 a gasolina para os níveis ACTIVE, ALLURE e GT Line.

Já o motor diesel 1.5 BlueHDi 130 CVM6 para os níveis ACTIVE, ALLURE e GT Line, os preços começam nos 28.530 euros (Berlina) e 29.770 euros (SW).

Por último, o motor diesel 2.0 BlueHDi 180 EAT8 como exclusivo do nível GT, está disponível por 42.700 euros (Berlina) e 43.860 euros (SW).

Deixe o seu comentário