Os piores (e melhores) carros de 2019 para Jeremy Clarkson

Apresentador britânico escolheu os melhores e piores carros do ano. A lista promete não deixar ninguém indiferente...

0 aos 100 25/12/2019 Noticias

Tempo de balanços do ano. Este é mais um..., e logo vindo de alguém como Jeremy Clarkson, o jornalista automóvel mais conhecido do mundo. O antigo apresentador do “Top Gear”, atualmente do “The Grand Tour”, fez (e divulgou...) a sua lista dos melhores e piores carros de 2019.

Com uma personalidade forte e crítica, é sempre interessante vermos que carros lhe ‘tocaram o coração’, especialmente a justificação para a escolha, feita sempre com um humor tipicamente... "à Clarkson".

Fique com a seleção de Jeremy Clarkson e as justificações:

Audi R8 V10 Performance

Um motor V10 é melhor que uma bicicleta (algo que descobriu depois de dois meses a conduzir uma bicicleta no Vietname) e que divertir-se a cerca de 300 km/h é mais importante do que estar angustiado com o plâncton (uma indireta a ativistas). Em conclusão, Clarkson considera que é assim que qualquer supercarro deveria ser.

Toyota GR Supra

Segundo Clarkson, o facto do novo Toyota Supra usar um motor BMW em linha de seis cilindros e muitos dos elementos do Z4 não é importante. O que importa é que, embora não seja dececionante, não pode ser classificado como esmagador. Esperava-se um comportamento um pouco mais “picante”.

Algo que gostou foi a velocidade com que pode andar com segurança. No entanto, ele acha que um Toyota GT86 faz mais ou menos o mesmo, mas por um valor muito menor. Por outro lado, pode sempre comprar um BMW Z4 que, na opinião dele, é melhor do que este novo Supra.

Veja ainda:

Suzuki Jimny

Este é um carro nada confortável, e que a baixa velocidade é muito melhor que o Jimny anterior. Mas ainda parece um carro muito louco. Dança com os ventos laterais e os travões podiam (e deviam) ser melhores. Mas quando começa a nevar é que se percebe o brilhantismo deste carro. É capaz até de derrotar um Land Rover em algumas situações.

E mais: também é divertido de conduzir. É capaz de oferecer um sorriso ao volante nas situações mais improváveis. Portanto, entre os melhores e os piores carros de 2019, para Clarkson, este é um dos primeiros. Desligue o controlo de tração, coloque em tração traseira e divirta-se.

Ferrari 488 Pista

O Ferrari 488 Pista é de longe um carro muito caro, mal equipado de série e com uns cintos de segurança que fazem com que tenha de rezar o rosário a cada curva. No entanto, apesar do exposto, é um dos carros mais emocionantes e excitantes já construídos.

Faz com que os outros pareça que estão fabricados de musgo e casca de árvore. Tanto que considerou novamente comprar um veículo com um motor central quando jurou que nunca mais faria isso. Além disso, diz que deixou o 458 Speciale sem valor.

Range Rover Velar

Jeremy defende que há algo no Range Rover Velar que torna inútil a parte racional do seu cérebro. Primeiro de tudo por causa do seu design, que é de alguma forma hipnotizante. Diz que não precisa de um Velar, mas que quer um. E é fácil imaginar qual deles: aquele que tiver o motor maior e mais potente.

Falamos sobre a versão V8 Supercharged de 5,0 litros que desenvolve 550cv. É capaz de acelerar de 0 a 100 km/h em apenas 4,5 segundos. Além disso, diz que é divertido ao volante e que os travões são igualmente potentes.

Alfa Romeo Stelvio Quadrifoglio

Se alguém consegue tornar um SUV interessante, é a Alfa Romeo. O Stelvio recebeu o nome de uma das melhores estradas do mundo e, com a variante Quadrifoglio de mais de 500 cv, faz jus a esse nome. Clarkson adora este motor, um Ferrari V6 biturbo. Uma obra-prima que, se fosse música, seria a quinta sinfonia de Beethoven.

Acelera como um demónio e o barulho que emana do motor é capaz de ferver o sangue de qualquer pessoa que esteja num raio de 500 m.

Audi TT S Roadster

Para Clarkson, o Audi TT S Roadster é "como aquelas apresentadoras loiras de televisão". Todas são muito amáveis e boas no seu trabalho. Mas nunca dizem nada que se aproveite. Como este Audi TT S Roadster, que não deixa de ser mais um Audi TT descapotável, mas com um pouco mais de potência.

O ruído a alta velocidade em autoestrada é exagerado e não convida a desejar conduzi-lo. Tem muitos cavalos, sim, e também um sistema de tração às quatro rodas. Mas Clarkson diz que prefere caminhar, que precisa de fazer exercício.

Ford Mustang V8 Convertible

Clarkson acredita que temos a impressão de que perdoaria tudo a um Mustang e, de certo modo é verdade. É um carro que pode oferecer diversão a céu aberto, combinado com um som entusiasmante, com o qual podemos conduzir de França a Londres e sair sem dor de costas.

Além disso, gasta muito menos do que se imagina. Jeremy diz que não quer um muscle car americano, que se sentiria um traidor por causa da boa engenharia. Diz também que não precisa de um Mustang. No entanto, não se importaria de ter um e sente a falta de ir com ele de França ao Reino Unido.

Mercedes-AMG A35

Este compacto tem uma potência fantástica, com mais de 300cv. Talvez por isso, a Mercedes tenha decidido instalar um sistema de tração às quatro rodas. Simplesmente porque precisa. Carrega-se no acelerador e é como se entrássemos num túnel. Uma louca aventura cheia de solavancos e estrelas a voar, a uma velocidade vertiginosa. É emocionante.

Além disso, o interior também atrai a atenção por todos os ecrãs que tem e conta com entradas de ar que parecem retiradas diretamente de uma nave espacial. E se quiser dize-lhe alguma coisa, basta dizer "Hey, Mercedes". Pode ser comparado às ofertas da Hyundai e da Renault, mas mostra que é alemão. E isso é bom.

Renault Mégane R.S. Trophy

Este também está entre os melhores e piores carros de 2019 para Clarkson e é um dos melhores. Segundo o apresentador britânico, "nunca tomei LSD na montanha-russa mais rápida do mundo, exceto agora". Tem direção às quatro rodas e isso faz com que não se perca nas curvas. A juntar a isso, é rígido, tanto de suspensão como de chassis, e isso torna-o muito ágil.

Os hot-hatch da Renault no passado foram decepcionantes e tive a sensação de que tinham sido improvisados. E depois equipado com todo o material eletrónico rejeitado pela Casio. Mas este é diferente, e os materiais parecem-me sem qualquer falha. Se tapasse os olhos, jurava que estava num Golf.

Peugeot Rifter

Clarkson acredita que é possível que tenha ouvido o riso quando o Rifter chegou à redação. "Tens de passar a semana toda com isso", disseram-me. No entanto, quando o estacionava, notou que a direção era muito leve e fácil de manusear.

O Rifter é destinado a pessoas que não pretendem estabelecer um novo recorde em Nürburgring. Pessoas que procuram um agradável passeio pela cidade. E certamente vão gostar muito do espaço disponível. Segundo Jeremy, três Saão Bernardo cabem na bagageira. E no habitáculo também há muito espaço. Em suma, ele adorou.

BMW X5

É um carro que vira o volante quando pensa que estamos a fazer algo errado. E encontrar o menu que desativa essa função é realmente complicado. Depois, há a chave, que permite saber quanto combustível ainda temos no depósito.

O apresentador defende que há muito tempo que não conduzia um carro com tantas falhas de design, mas isso já é mais uma questão de gosto pessoal do que algo objetivo.

Deixe o seu comentário

Pesquise aqui o seu futuro carro usado

Ensaio ao Mazda3 1.8 Skyactiv-D 116cv Evolve: Direto ao topo
Peugeot 508 2.0 HDi 160cv GT Line: Grande 'espada'