Este é o novo Renault Clio

Primeiro o interior, agora o exterior. Assinatura R.S. Line substitui a anterior designação GT-Line

0 aos 100 29/01/2019 Noticias

Está oficialmente apresentada a quinta geração de um dos mais importantes modelos da Renault, o Clio. O interior já tinha sido dado a conhecer, agora foi a vez do exterior. Só ficam a faltar as mecânicas. Chega antes do verão.

O Clio V é 14 milímetros mais curto que o antecessor, mas também mais baixo, em 30 mm, o que favorece a aerodinâmica e reforça o carácter desportivo. Surge com um desenho dianteiro inspirado no do Mégane, destacando-se a assinatura luminosa em “C” feita com faróis 100 por cento em LED.

Relacionadas:

O capot recebeu uma superfície nova, com nervuras que lhe dão um aspeto mais agressivo, tal como a maior grelha dianteira, colocada ao centro do para-choques. A silhueta com ombros destacados sobre as rodas traseiras e os puxadores das portas traseiras dissimulados são detalhes que marcam a continuidade com o modelo anterior.

A Renault Sport introduz a «assinatura» R.S. Line, que irá substituir, progressivamente, a anterior designação GT-Line, e traduz-se por um carácter ainda mais desportivo no design, reforçando a filiação com a marca R.S., sinónimo desportivo. A gama R.S. Line adota os códigos de design, exteriores e interiores, da Renault Sport.

No exterior, o Clio R.S. Line herda a lâmina F1, que é uma assinatura emblemática dos modelos R.S, além da grelha dianteira em ninho de abelha e jantes específicas em liga leve de 17 polegadas.

No interior encontra-se outros elementos identitários da Renault Sport, como os bancos com reforço lateral, as inserções em carbono, o volante específico em couro perfurado com a assinatura R.S, os pedais em alumínio e elementos de personalização em vermelho, combinados com os pespontos dos bancos e do volante.

Também a assinatura INITIALE PARIS, presente em vários modelos da gama Renault – Captur, Scénic, Talisman, Koleos e Espace – está de regresso ao Clio.

Fica apenas por saber as mecânicas, algo que deverá ser revelado até à sua primeira aparição em público, em março, no Salão de Genebra, mas sabe-se que terá uma versão híbrida E-Tech, que recorrerá a uma bateria de 1,2 kWh, para uma potência na ordem dos 120cv e uma autonomia elétrica de 6 km.

Sabe-se ainda que o motor a gasolina 1.2 TCe será substituído por um novo 1.3 TCe, com potências entre os 115 e os 160cv, a que se junta um 1.0 TCe, e o já conhecido 1.5 dCi.

Deixe o seu comentário

Pesquise aqui o seu futuro carro usado

Teste ao Usado. Mercedes-Benz CLA Shooting Brake 180d AMG: Fazer tudo bem não é para todos...
Peugeot 508 2.0 HDi 160cv GT Line: Grande 'espada'