Se conduzir, verifique os pneus!

Pressão correta pode trazer uma poupança de combustível equivalente a um depósito cheio a cada 15.000 km

0 aos 100 17/12/2018 Curiosidades

Mais de metade dos condutores portugueses não verifica a pressão dos pneus dos seus automóveis, segundo os resultados de uma ação de sensibilização promovida pela Associação Automóvel de Portugal (ACAP).

A manutenção dos pneus traz benefícios ao nível de uma maior segurança rodoviária, mas também da poupança de combustível, decorrente de uma circulação rodoviária com a pressão aconselhada - em 15.000km anuais, pode ser o equivalente a um depósito cheio -, e a vida útil do pneu também é prolongada, não sendo por isso necessário a sua substituição tão cedo.

Segundo os dados revelados, 54% dos pneus verificados não estavam com a pressão correta.

A ACAP acrescenta por isso que a correção periódica da pressão de ar dos pneus é imperativa. “ Há sempre perdas com o decorrer do tempo e a verificação da pressão de ar dos pneus deve ser feita pelo menos uma vez por mês, quando o peso de carga do veículo é alterado ou antes de uma grande viagem”, refere em comunicado a ACAP.

Relacionadas:

Já relativamente à profundidade do piso dos pneus analisados, os resultados desta campanha, revelam que 17% dos pneus analisados não estavam com a profundidade correta.

“Os pneus têm que apresentar um mínimo legal de 1,6mm de profundidade do piso, mas em termos de performance e poupança de combustível é aconselhável substituir os pneus quando a profundidade do piso é inferior a 3mm. Também de acordo com a legislação vigente, os pneus devem ser iguais em cada eixo, mas o veículo tem melhor desempenho com os quatro pneus iguais”.

Verificar a pressão de ar dos pneus é uma operação de poucos minutos e é gratuita. Somam-se poupanças em combustível e no prolongamento da vida dos pneus. Fundamentalmente, o condutor e os ocupantes do veículo, têm a garantia de uma maior segurança rodoviária.

No que se refere ao desgaste dos pneus, esta constitui uma séria ameaça à segurança da condução, perda de aderência de estabilidade e aumento da distância de travagem.

Deixe o seu comentário

Pesquise aqui o seu futuro carro usado

Ensaio ao Renault Clio RS Line TCe 130 EDC: Faceta desportiva
DS 3 Crossback BlueHDi 100. A virtude de ser diferente